ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Nº 2 de Mandetta na Saúde diz que deixou pasta sem apresentar trabalho ao novo ministro


Wanderson foi um dos principais estrategistas da gestão do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, que foi demitido pelo presidente Jair Bolsonaro


Principal auxiliar do ex-ministro Henrique Mandetta no ministério da Saúde, Wanderson Oliveira deixou a pasta ontem (26) e afirmou que não mostrou seu trabalho ao novo titular da pasta, Eduardo Pazuello. 

De acordo com a CNN, o ex-secretário de Vigilância em Saúde, no entanto, elogiou o novo diretor da pasta, camando-o de "exímio estrategista" e faz um apelo para que ele escute os conselhos formados por secretários estaduais e municipais de Saúde e também o Conselho Nacional de Saúde, em que ele faz questão de apontar o papel dos militares. "O CNS foi criado em 1941, durante a 2ª Guerra Mundial. As Forças Armadas sempre tiveram papel importante na estruturação da vigilância epidemiológica. Foi durante o 5º encontro do CNS em 1975, onde em resposta à epidemia de meningite que grassou pelas comunidades de São Paulo e matou pessoas de todos os níveis sociais do país, e entendendo a gravidade do momento, por meio do presidente Geisel, foi criado o Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica".

Wanderson foi um dos principais estrategistas da gestão do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, que foi demitido pelo presidente Jair Bolsonaro. Apesar de ter anunciado que também sairia, logo que Mandetta foi demitido, Wanderson conta agora que havia decidido ficar na equipe de Nelson Teich, o segundo ministro da pasta mas também foi surpreendido com a demissão dele no início do mês.

"O ministro Nelson Teich seguiria pelo mesmo caminho. Lamentavelmente não teve tempo de mostrar seu trabalho, pois novamente 'tinha uma pedra no meio do caminho'. Nesse curto espaço de tempo, apesar de não me conhecer direito, após duas semanas, efetivamente me convidou para permanecer. Creio que faríamos um ótimo trabalho, mas aí entra o princípio da impermanência...”.

Nenhum comentário