DESTAQUE

quarta-feira, 19 de maio de 2021

Dia de Pazuello na CPI tem ex-ministro excluindo Bolsonaro de culpa e Renan "blogueirinho"; entenda


A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid ouve, na manhã desta quarta-feira (19/5), o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Durante depoimento, iniciado após 9h, Pazuello afirmou que nunca recebeu ordens de Jair Bolsonaro para recomendar a prescrição de cloroquina ao longo da pandemia de Covid.

Logo no início da oitiva, Pazuello lembrou a gestão que fez no Ministério da Saúde e afirmou que o Supremo Tribunal Federal (STF) limitou as ações do Governo Federal.

“Decisão do STF em abril de 2020 limitou ainda mais a atuação do Governo Federal nessas ações. Assim, não há possiblidade de o Ministério da Saúde interferir na execução das ações de estado da Saúde sem usurpar as competências dos estados e municípios. Isso só seria possível em caso de uma intervenção federal da saúde".

Pazuello se referiu à decisão do plenário da Corte que confirmou autonomia aos estados, municípios e ao Distrito Federal, para adotar medidas para conter a disseminação da Covid-19.

Pazuello então foi questionado pelo relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL), sobre as ordens de Bolsonaro sobre medicamentos como a cloroquina, que não tem eficácia contra a doença. "Em hipótese alguma. O presidente nunca me deu ordens diretas para nada", respondeu o ex-comandante da pasta.

O que chamou a atenção antes do depoimento foi Calheiros, que utilizou o Instagram para internautas mandarem mensagens que poderiam ser feitas ao ex-ministro.


COLAPSO EM MANAUS

Sobre a crise de Saúde em Manaus, no começo de 2021, Pazuello afirmou que esse foi um "desafio maior do que qualquer um poderia esperar".

"Vi e vivi o impacto somatório de dois fatores: o surgimento de uma nova e mais agressiva variante do vírus e o colapso da rede de Manaus, que resultou em milhares de mortes em curto espaço de tempo", afirmou.

Pazuello é o primeiro convocado pela CPI a contar com o benefício de poder ficar em silêncio se entender que há o risco de autoincriminação, medida concedida pelo ministro do Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF).