quinta-feira, 26 de janeiro de 2023

Feira de Santana tem um dos piores índices de cobertura vacinal da Bahia Caixa de entrada

Feira de Santana tem um dos piores índices de cobertura vacinal da Bahia


Feira de Santana possui mais de 200 mil pessoas com doses em atraso contra a Covid-19 e indicadores menores do que a média estadual nas nove vacinas referentes ao calendário infantil. São elas: BCG, Tríplice Viral, Rotavírus Humano, Pneumocócica, Meningocócica, Pentavalente, Febre Amarela, Poliomielite e Hepatite A.

Dados da vigilância epidemiológica da Bahia apontam que a diferença entre a média estadual e o município chegam a quase 20 pontos percentuais. A maior diferença é a Tríplice Viral, que previne o sarampo, a caxumba e a rubéola. Outro grande risco é a baixíssima cobertura contra a poliomielite, que foi erradicada do Brasil há 33 anos e pode se espalhar rapidamente entre comunidades com cobertura vacinal inadequada. A doença não é tratável, mas é totalmente evitável por vacinação. Aumentar a cobertura de vacinação é essencial para manter Feira de Santana, a Bahia e o Brasil livres da pólio.

O Governo do Estado convocou por diversas vezes a prefeitura a cumprir seu papel constitucional, que é o de vacinar a população, mas a ausência de ações educativas e de mobilização por parte do município tornaram Feira de Santana uma cidade com risco aumentado para diversas doenças.

A coordenadora de imunização do Estado, Vânia Rebouças, alerta que "quando temos uma diminuição das coberturas vacinais, a gente aumenta o número de pessoas vulneráveis ao adoecimento. E o risco é muito maior de ter o reaparecimento de doenças que são muito bem controladas e eliminadas com a vacinação", afirma.